4037 mulheres assassinadas por ano

4037 mulheres assassinadas por ano

 POR MARCO VASQUES

 Publicado no jornal Notícias do Dia [20/02/2012]

Ela, por mais que tentasse, não conseguia se desvencilhar dele. No primeiro ano, não se perder de vista era o maior desejo. O estar juntos, o saborear as coisas com alguma leveza, a praia, as festas, cinema, tudo era mais divertido e saboroso ao lado dele. Ela, enfim, encontrou alguém para compartilhar sonhos, alegrias, tristezas, temores à que toda vida humana está submetida. O tão esperado amor bateu em sua porta.

O tempo, divino e senhor de tudo, foi arrefecendo o desejo, diminuindo a vontade de ficar junto e mostrando os mundos diferentes em que viviam. Sonhavam diferente, entendiam o mundo de modo completamente oposto; o que não é, necessariamente, motivo para não viverem juntos, desde que cada um possa respirar dentro do seu mundo, olhar e pintar a vida com os próprios olhos, com as próprias ideias. E as dores do amor entram pelas janelas.

Então as brigas começam, as discussões se tornam rotineiras, as ameaças surgem e os gritos se tornam frequentes. E a leveza, antes tão evidente, se torna mais áspera e dura que concreto armado. Ela silencia, porque ele é homem e sua mãe ensinou que com homem não se discute, se abaixa a cabeça e se segue, ainda que insatisfeita e infeliz. Ele, percebendo que ela não resiste, se vê triunfante, vitorioso, um verdadeiro macho dominador.

 A coisa vai se arrastando até que o amor vira ódio e o convívio se torna um tormento. Não há mais desejo, não há mais leveza, não há mais intimidade e prazeres. Ela, tomada da necessária coragem, resolve por fim a toda aquela situação, resolve abortar o amor natimorto. E sobre ela recai toda a carga moral de uma relação falida; recaem os olhares atravessados dos familiares e amigos. Ele, impotente na sua potência, bate na mesa, briga, ameaça e jura que homem nenhum há de tocar em sua propriedade eterna.

A vida segue. Ele vai a festas. Sai com outras mulheres e não deixa de cercar seu antigo amor com mensagens inoportunas, telefonemas ríspidos e e-mails, numa busca neurótica do amor perdido e de controlar os passos dela. Até que um dia ele sabe, por um amigo, que ela está bem, revigorada, bonita e com um novo amor. Cheio da coragem típica dos canalhas, ele a assassina brutalmente.

E ela entra para as estatísticas. São onze mulheres assassinadas por dia na república de Brunzundangas. O mais intrigante é que oito dos onze crimes são cometidos por “amor”. São os chamados crimes passionais. A palavra grega pathos significa paixão, sujeição, passividade, sofrimento, excesso, catástrofe, passagem. Eles lavam a “honra”, elas são soterradas covardemente.

Anúncios

Uma resposta para “4037 mulheres assassinadas por ano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: