A doação de medula óssea – Crônica de Rubens da Cunha

Crônica publicada no Jornal A Notícia em 24/07/2013

A doação de medula óssea

Medula. Medula óssea. Tutano. Metáfora para inteligência. Eixo, centro, força, um tecido hematopoiético que nos habita. A Medula é a poiesis do nosso corpo. Pode ser aquele fazer antigo que nos constitui enquanto seres vivos. Medula é o cerne, o interior, o dentro dos ossos, a medula espinhal, o caminho por onde percorrem muitas de nossas sensações, o caminho que conecta cérebro e corpo, muitas vezes separados, tratados como se fossem duas coisas diferentes, quando estão desde sempre ligados pela medula.  A medula, algumas vezes, é acometida de uma doença: a leucemia, ou o “sangue branco” que tanto tem marcado as vidas por aí. Com o avanço da medicina tornou-se possível curar a maioria dos casos com um transplante de medula óssea. Um transplante do nosso cerne. A medula óssea é, junto com o sangue, aquilo que podemos doar ao outro sem que nos faça falta. Há, apesar dos percalços, uma popularização na doação do sangue, mas pouco se comenta da doação de medula óssea. Pouco se fala das pessoas envolvidas em associações e organizações que, diuturnamente, buscam doadores. Diferente do sangue, doar medula óssea para alguém que não seja parente, é quase como ganhar na loteria. Algo como 1 para 100.000, por isso é tão importante que mais pessoas façam parte do “Registro de doadores voluntários de medula óssea”, pois quanto mais pessoas estiverem cadastradas, maiores são as chances de se encontrar algum doador longe da família. A sorte aqui não deve ser ressaltada somente para quem recebe, mas para quem doa. É um procedimento relativamente simples, que demanda justamente aquilo que a palavra doar traz da ancestralidade: o donare, o donum, o dar um presente, o dar a medula, arriscar a sorte de salvar uma vida doando um pouco de seu tutano, ou de saber que há alguém por aí que lhe é compatível e que não passa por graus de parentesco. Alguém cuja constituição genética misteriosamente se aproxima da sua e que vem da sua medula a salvação desse “gêmeo”. A cura da leucemia será expandida quanto mais houverem doadores voluntários, doadores que não precisem que aconteça um caso com alguém próximo para entrar nessa lista, para fazer da sua medula a medula de alguém.

Rubens da Cunha

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: