Crônica da Semana – Primavera e eleições – Por Rubens da Cunha

Crônica publicada no Jornal A Notícia em 10/09/2014

Estamos nos últimos resquícios do inverno. Logo a primavera chega, dizendo as suas tantas cores sobre jardins, florestas, campos e cidades. Primavera é tempo de renascimento, de mudança, é uma estação quase sempre associada à beleza, ao sublime. Talvez a melhor definição de primavera venha do inglês, pois a palavra spring é muito mais do que somente a definição de uma estação, é também salto, pulo, mola, elasticidade, contragolpe. É levantar, emergir, brotar, nascer, crescer, produzir, apresentar de repente, rachar, fender, estourar. Esse primus tempus que está quase chegando, está trazendo não apenas flores, mas no caso do Brasil, toda uma grande expectativa em relação ao futuro. As eleições acontecerão no auge da primavera, mas a julgar pelos nomes envolvidos no pleito, ela não está assim tão primaveril. Se pensarmos nos cargos do executivo, há candidatos interessantes, com discursos progressistas, porém isolados diante das tais opções com chances de ganhar. E essas opções não são nadas primaveris, por mais que se vendam como tal, por mais que se digam portadoras do novo, do inédito, do futuro cheio de rosas e dálias para os brasileiros, estão todas plantadas sobre o mais invernoso dos terrenos: a proximidade cada vez mais assustadora entre religião e política; a sustentação das campanhas por grandes empresas, bancos e empreiteiras; os conchavos, conluios, aproximações estranhíssimas que ferem princípios ideológicos básicos; Se pensarmos no legislativo, muitos dos mesmos nomes permanecem sendo reeleitos, apesar das denúncias, dos desmandos. Continuamos, quase todos, votando e esquecendo em quem votamos, enquanto quase todos deputados e senadores continuam gostando muito de só serem lembrados nas primaveras em que tem eleições. O horário eleitoral continua sendo obrigatório e sendo palco para personagens que só caberiam em programas escrachados de sátira política. No entanto, eles estão lá pedindo voto para lutarem por mais educação, saúde e segurança. A história, assim como as estações, não param de acontecer e, sob certo sentido, se repetir. Os resultados dessas eleições podem determinar o que seremos daqui para frente. A julgar pelas opções apresentadas, as primaveras talvez não serão, assim, tão primaveras.

Rubens da Cunha

Anúncios

Uma resposta para “Crônica da Semana – Primavera e eleições – Por Rubens da Cunha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: