Mais uma vez a rotina – Crônica de Rubens da Cunha

Crônica publicada no Jornal A Noticia em 11/02/2015

Sombras e sobras nesse verão quase findo. Tudo marcha a contento naquela rotina feita de um dia após o outro. Naquele “todo dia ela faz tudo sempre igual” que a gente ouve na música. Rastos e restos que compõe a monotonia, a surpresa, o encanto e o desencantar-se da vida. Olhamos os artistas, os esportistas radicais, os grandes inventores e cientistas e, talvez, desejemos aquela vida em que a rotina é não ter rotina, em que cada dia é um acontecimento diferente. No entanto, se a nossa vida comezinha não tem a dimensão e nem o dinheiro dessa gente que parece não ter rotina, talvez necessitemos olhá-la mais de perto, parar de desejar mudanças visíveis e observar os pequenos acontecimentos e novidades que se fazem para além do “me sacode às seis horas da manhã”. Pontos e pontes se fazem diuturnamente para que saiamos de nossas ilhas, nossos buracos existenciais. Morreremos todos sozinhos, é certo, mas até lá a vida é uma troca comunitária, um esbaldar-se por dentro da rotina. Talvez o caminho seja adestrar, ou como diria o poeta Manoel de Barros, desadestrar o olhar. Tirar de sobre ele a poeira, olhar além, abaixo, acima da casca do cotidiano. Olhar nos olhos da rotina também ajuda. Tentar entender uma pichação enquanto espera o ônibus; observar o limo de um muro abandonado; contar quantos passos uma pessoa dá para atravessar a faixa de pedestres; admirar a variedade de andares, olhares, movimentos de braços; compadecer-se, mesmo que momentaneamente, dos bichos abandonados. Olhar o inútil, o feio, o descartável que compõe a urbanidade e contrapô-los aos jardins, praças, aos velhos nas praças, às árvores que insistem em sombrear o cimento. E ver o que acontece. Ver e desver. Sair e entrar de si, dentro de si mesmo para perceber que a vida é essa sucessão de ninharias, é esse acúmulo de memória e de esquecimento que nos faz felizes ou infelizes. Escolhas e escolhos nos definem. Somos amplos, abertos, imprecisos, mesmo que rotineiros, mesmo que nos façamos, às vezes, de pedra cega e cortante, nos façamos um recife imóvel e duro. Equilibrar-se. Bailar na corda bamba da vida, e não cair. Ou cair, porque nem tudo é rotina, nem tudo é cotidiano.

Rubens da Cunha

Anúncios

2 respostas para “Mais uma vez a rotina – Crônica de Rubens da Cunha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: